DONO DE LANCHONETE RELATA ABUSO DE FISCAIS E FECHA ESTABELECIMENTO POR TEMPO INDETERMINADO EM NOVA MAMORÉ

Compartilhar:

Seis funcionários poderão ficar desempregados


Na noite deste domingo (10), a equipe da lanchonete denominada Lanche do Arthur, localizada no centro de Nova Mamoré/RO, cumprindo todos os requisitos do decreto editado pelo executivo, abriu seu estabelecimento para mais uma noite de trabalho.

Ocorre que por volta das 8h30min, fiscais da Vigilância Sanitária que estão visitando todos dos estabelecimentos para comprovarem se estão cumprindo todos os requisitos diante da pandemia que estamos passando.

Segundo relato, os ficais sempre agem com truculência, chegando muitas vezes intimidar os funcionários, dizendo que vão multar e fechar.

Desde que os decretos foram editados, o proprietário optou por não colocar mesas e atender unicamente Drive Thru (retirada no local) e delivery (entregas) e cumpre todos os critérios exigidos.

Os seis funcionários todos trabalham com tocas e máscaras, no local existe a disposição álcool em gel para quem vai comprar e retirar, porém na noite deste domingo, os ficais mais uma vez chegaram de forma truculenta, sendo necessário o proprietário acionar a Polícia Militar.

Intimidações e ameaças por parte dos fiscais e nenhuma orientação em relação as medidas que deveriam serem tomadas e nem esclarecimentos, nenhuma notificação foi entregue, já queriam entregar e forçar o proprietário assinar um auto de infração.

Algumas vezes os ânimos se alteraram e o proprietário resolveu fechar o estabelecimento por tempo indeterminado. Ele cobra mais respeito com trabalho que vem exercendo, pois cumpre todos os critérios do decreto, mesmo assim vem sofrendo perseguição, cobra também do prefeito alguma atitude em relação a essa situação, pois se não, seis pessoas ficarão desempregadas, mesmo ele trabalhando dentro dos critérios.

É um momento delicado e inédito que estamos passando, o empresário não deveria ser tratado dessa forma, são essas pessoas que estão empreendendo e lutando para manter a economia ativa e ter apoio e não serem tratados dessa forma.

Nota de Esclarecimento das entidades citadas deve ser enviada para o número: 9 9308 1725

Fonte: Mamoré Agora


Nenhum comentário