POR FALTA DE EFETIVO, DELEGACIA DE POLÍCIA CIVIL DE NOVA MAMORÉ PODE SER FECHADA

Compartilhar:





Na tarde desta segunda – feira, 29, aconteceu no auditório da Câmara de Vereadores de Nova Mamoré/RO uma reunião convocada pelo presidente da casa, vereador Altamir Fochesatto, que convidou todos os vereadores e também autoridades policiais no nosso município.

Estavam presentes o presidente da associação comercial Virles Varão, Comandante do Batalhão de Polícia Militar, Tenente Lucas Tarso, Delegado de Titular de Polícia Civil, Rogério Pereira, os vereadores, Toinho Barroso, André do Sindicato, Irmão Ide, Hiran Matos, Denizo, Chapéu, prefeito Claudionor Leme e o advogado Mikael Augusto.

Vereadores e associação comercial

Durante a fala dos vereadores ficou evidente o descontentamento com a onda de furtos e roubos que vem acontecendo no município. Os vereadores alegaram que a população está cobrando muito deles por isso foi necessário convocar as autoridades policias. O presidente da associação comercial também relatou sua preocupação, pois diariamente vários estabelecimentos comercias são vítimas de criminosos.

Relato de um morador que teve seu estabelecimento comercial furtado oito vezes

Por ter sido uma reunião convocada em caráter de urgência poucas pessoas compareceram, mas um relato de um dono de restaurante bastante conhecido no município, deixou claro a situação caótica da segurança pública no nosso município.

Fidelis relatou que até o presente momento ele já teve seu estabelecimento furtado oito vezes, tendo sido levado três televisões e quase todas as vezes a sua fiação elétrica é levada pelos criminosos. Prejuízos enormes para quem tira do restaurante seu sustento.

Comando da Polícia Militar de Nova Mamoré



Um dos convidados para a reunião foi o comandante da Polícia Militar de Nova Mamoré, Tente Lucas Tarso, ouviu todos os vereadores, podendo fazer seus apontamentos, relatou que Nova Mamoré conta com uma ótima estrutura, tanto em relação a equipamentos, viaturas e contingente.

Questionado sobre o comando está estruturado, e mesmo assim a o número de furtos crescer, ele relatou que a polícia militar realiza seu trabalho com primor, onde em quase todos os casos de furtos os criminosos foram identificados e presos.

Ocorre, em sua visão, que é necessária uma lei penal que possa ir de encontro com o trabalho de polícia, onde um criminoso possa responder e ficar preso, um exemplo que ele levou ao plenário foi caso do elemento que já havia sido preso 22 vezes e sempre volta a praticar os mesmos atos.

Foi enfático em dizer que a falta de presença no estado é crucial para que a onda de roubos e furtos cresça. Onde ele acredita que um trabalho de inteligência da polícia seria crucial para tirar os criminosos das ruas, porém esbarra nas vedações em impedem a polícia militar de investigar.

Polícia Civil



O delegado titular, Dr. Rogério Pereira, diante dos questionamentos dos vereadores fez um relato em relação a delegacia de Nova Mamoré, atualmente ele conta com apenas um investigador, e isso compromete totalmente o trabalho de investigação e tentativa de elucidar de crimes que acontecem no município.

Seria ideal, segundo ele, que tivessem pelo menos oito investigadores, seis escrivães e dois delegados. Para pode cobrir toda a região de compreende a circunscrição policial na qual o delegado atua.

O delegado também relatou sua vontade poder ir as ruas realizar investigações, fazer barreiras, porém também esbarra nas vedações em relação a função da Polícia Civil.

Ficou claro e evidente que se novos policias não forem convocados para trabalhar em Nova Mamoré, possivelmente a delegacia poderá ser fechada e unicamente servirá para apenas registro de ocorrência.

Ausência do Estado

O caos em que se mergulhou a segurança pública no município se deu, fazendo uma análise, diante da fala do comando da Polícia Militar, assim como da Polícia Civil e vereadores foi a ausência do Estado.

A fraca representação política fez com que falte investimentos em inteligência e no chamamento de novos policias civis que foram aprovados no concurso da polícia civil para assumir seu posto. Fazendo com que hoje haja esse déficit.

O comandante da Polícia Militar, Tente Lucas Tarso falou da importância de se ter um fórum no município, que em muitas situações seria essencial, a presença do poder judiciário. Ele relatou o exemplo de uma ação civil pública movido pelo MP em Buritis que proibiu a remoção de policias trabalham naquela localidade. 

Uma ação como essa fez com que os quadros da polícia não ficassem defasados, pois os policias que passaram no concurso tinham que ficar no município que eles foram designados.   

Unisp

Em relação Unisp – Unidade Integrada de Segurança Pública, é evidente que faltou tato do governo em querer implantar um projeto como esse sem antes ouvir as duas policias em todo o estado de Rondônia e principalmente a população. 


Em municípios maiores algumas delegacias foram desativadas, assim como alguns postos que ficavam dentro dos bairros e foram levados para locais mais distantes, tirando a polícia do meio da comunidade.


É importante salientar que neste item, está não é uma fala nem do comando da Polícia Militar local, nem da Polícia Civil na reunião, mas é uma questão já debatida amplamente pela imprensa do Estado de Rondônia. 

Para Nova Mamoré, o ideal teria sido que a tanto a sede comando da Polícia Militar como a Delegacia de Polícia Civil tivessem passado por uma reforma e estruturação, com o dinheiro que foi alocado para a construção da Unisp.

- Outras reuniões serão convocadas para que esse debate em relação a segurança pública tenha uma solução.

Fonte: Mamoré Agora/Portal Mamoré 







Nenhum comentário