Enteada é suspeita de envolvimento na morte do padrasto em Vilhena, RO

Polícia Civil concluiu as investigações acerca da morte de Valdir da Silva Guimarães, encontrado morto no dia 15 do mês passado. As investigações apontaram que Rafaeli Feliz de Souza induziu o marido, Jean Carlos Tavares Brunelli, a matar Valdir. Rafaeli era enteada de Valdir e estaria com raiva dele, em virtude de uma discussão ocorrida meses antes. Rafaeli e Jean estão foragidos da Justiça. Por causa disso, a polícia divulgou fotografias deles nesta sexta-feira (31).

Valdir, de 40 anos, foi morto a tiros e encontrado na sala de casa, na zona rural de Vilhena. Antes de morrer, ele ligou para familiares pedindo socorro e dizendo que Jean havia praticado o crime. A partir disso, a Polícia Civil começou as investigações.

Os investigadores apuraram que, no dia do crime, Valdir passou o dia todo com a esposa; estava feliz e ingeriu bebidas alcoólicas. No fim da tarde, a esposa precisou ir para a cidade, e a vítima ficou sozinha no sítio.

Mais tarde, Rafaeli descobriu que a mãe estava na cidade e o padrasto estava sozinho. Depois disso, ela, o irmão e o marido foram para uma confraternização. Durante a festa, Rafaeli e Jean sairam do local, dizendo que iriam comprar cigarros. Ela pediu para o irmão cuidar da filha dela.

Quando foi ouvida, Rafaeli disse que demorou de 10 a 15 minutos para retornar para a festa. Porém, a versão dela foi desmentida pelo próprio irmão, que informou que o casal demorou a retornar para a confraternização, que até precisou ligar para Jean. A ligação foi atendida por Rafaeli, que explicou que a corrente da motocicleta havia caído.

Outro ponto do depoimento de Rafaeli que foi contrariado, foi a versão de que não havia problemas com o padrasto. Os investigadores descobriram que no Dia das Mães desse ano, ela chutou o padrasto numa discussão, e Jean chegou a atirar para o alto, para acalmar os ânimos.

Fonte G1

Postar um comentário

0 Comentários